Avança o processo de construção da UNIPA

A teoria defendida pela UNIPA foi desenvolvida especialmente nos seus três primeiros Congressos, onde são elaboradas as bases teóricas anarquistas-bakuninistas para interpretação da luta de classes, do desenvolvimento capitalista e da Revolução Brasileira.

Como fruto do aprofundamento da ação militante e do intenso trabalho intelectual, a defesa teórica e programática do bakuninismo teve como consequência a ruptura não apenas a nível nacional, com o revisionismo anarco-comunista do Fórum do Anarquismo Organizado (atual Coordenação Anarquista Brasileira), mas também em escala internacional. Tal consequência foi encarada de peito aberto e com firmeza pela UNIPA, pois era claro, e a cada dia se confirma a justeza de tal posição, que tal ruptura não foi fruto de sectarismo ou um capricho de nossa Organização, mas uma necessidade para avançar decididamente na reorganização do anarquismo como força popular e revolucionária, nos separando do confusionismo de um pretenso “movimento libertário” tão harmônico quanto inútil para a classe trabalhadora.

O chamado à construção nacional em 2007 e seus primeiros passos

No período 2003-2004, vivia-se uma conjuntura de crise do governismo no movimento de massas (com a iniciativa de ruptura com a CUT e UNE e a construção da CONLUTAS) frente à necessidade do combate às reformas neoliberais (previdenciária, trabalhista, universitária) aplicadas pelo Governo de Lula/PT. Essa conjuntura colocou a prova a capacidade do então pequeno agrupamento bakuninista. É exatamente aqui que o trabalho teórico anterior, mesmo sendo reconhecidamente parcial, se mostrou fundamental. Tivemos a tática correta porque tínhamos uma teoria, mesmo que ela não estivesse plenamente desenvolvida. O acerto da tática nos fez enfrentar e sobrevier as adversidades até hoje. Apesar de surgir em meio a uma crise de organização do proletariado, a UNIPA teve uma progressão lenta, mas contínua. Ao contrário do desaparecimento “profetizado” por diversos adversários, avançamos.

Com uma atuação modesta, porém aguerrida e combativa no campo antigovernista (organizado na CONLUTAS), e com base na teoria, programa e estratégia bakuninista, a intervenção seguiu a linha política de combater o governismo (e as reformas neoliberais levadas a cabo por esse setor) e desgastar a estratégia/tradição reformista e social-democrata da “esquerda” brasileira. Tal tática acertada, oriunda de uma detalhada e coerente apreciação da conjuntura em nosso país, colocou nossa pequena Organização em debates estratégicos de reorganização do proletariado.

Foi em 2007, através do comunicado nº 21 “Construir o Partido Revolucionário Anarquista”, onde se fez pela primeira vez um chamado aberto e direto aos anarquistas e trabalhadores de forma geral a construírem a UNIPA. De fato, a partir de então, a UNIPA passa a ter um crescimento modesto, mas contínuo. Em 2008 e 2009 temos a construção de dois Pró núcleos (DF e CE), que cerca de um ano depois se consolidam em núcleos orgânicos. A consolidação dos núcleos em três regiões diferentes teve um fator positivo de expansão de nossa política no território nacional. Tivemos também nesse tempo (2007-2011) a experiência de construção de Comitês de Apoio e Propaganda (CAP), responsáveis por distribuir os jornais Causa do Povo e prestar tarefas de apoio a Organização, no interior do Estado do Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Goiás, além de CAPs junto aos núcleos. Apesar de nosso crescimento estar amparado essencialmente em nossa frente de massas, o fato é que se conseguiu estabelecer uma propaganda em âmbito nacional.

O Grupo Político Nacional (GPN): embrião do Partido Revolucionário

Em 2012, a UNIPA lançou as resoluções de sua segunda Assembleia Nacional, onde apontava importantes avanços em sua organização interna, a saber, a construção do Grupo Político Nacional (GPN), ou seja, a transformação dos pró-núcleos em núcleos e a transformação da estrutura interna da organização para comportar essa nova etapa. Se na primeira Assembleia Nacional, em 2011, apontou-se como tarefa central consolidar o GPN, em 2012 a Organização já estava partindo de um novo patamar qualitativo e quantitativo. Como nos ensinou a FAU-histórica (1964-76): para cada novo momento da luta superado, novos problemas são colocados frente aos revolucionários, problemas mais complexos aos quais os revolucionários devem se elevar a sua complexidade para solucionar. O desenvolvimento do GPN significa essa nova etapa que nos lançamos de peito aberto, etapa anterior a construção do Partido Revolucionário.

O V Congresso da UNIPA a ser realizado em 2013 será uma culminação dos esforços teóricos e organizativos daqueles que vêm abraçando a bandeira do anarquismo e da revolução proletária. A política de expansão da organização caminha para novos pró-núcleos e novos CAPs, ampliando a propaganda bakuninista para a região Sul e novos estados.

Seguimos, portanto, mais vivos e confiantes no caminho que escolhemos, no trabalho sério e com intransigência de classe, único meio capaz de superar o pântano das tradições reformistas e estatistas ao qual estão submersas as organizações trabalhadoras de nosso país. Isso significa, reafirmar o papel iniciador-dirigente da organização bakuninista e também de seus militantes, bem como suas tarefas de agitação, propaganda e organização. Convocamos os companheiros que tenham por objetivo construir a Revolução Social a se somarem nesse processo.

BAKUNIN VIVE E VENCERÁ!

AVANTE O ANARQUISMO REVOLUCIONÁRIO!

PELO SOCIALISMO E A LIBERDADE!

2

Artigo publicado no Causa do Povo nº67. Leia a edição completa CLICANDO AQUI.

Anúncios
Galeria | Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s